Pesquisa
Ouça em
Siga-nos
Pesquisa
Ouça em

Síndrome do impostor: livre-se do mantra “eu não sou bom o suficiente”

sindrome-do-impostor

Veja se você se identifica com a seguinte situação hipotética:

 

 

Imagine que você trabalha há anos na mesma área e seus colegas elogiam a execução dos seus serviços. No entanto, sempre que precisa entregar um novo projeto  – ou até mesmo ao longo da sua rotina de trabalho – você questiona se é bom o suficiente no que faz.

 

 

Você tem a sensação de que, a qualquer momento, será desmascarado e todos à sua volta descobrirão que nunca foi bom de verdade, que você só finge ser… 

 

 

Essa é a síndrome do impostor em ação. 😔

 

 

A síndrome do impostor é um padrão psicológico em que a pessoa constantemente tem dúvidas sobre suas conquistas e habilidades e sente medo de ser exposta como fraude.

 

Uma pesquisa publicada na Revista Internacional de Ciência Comportamental constatou que cerca de 70% das pessoas, em algum momento, irão sucumbir diante da síndrome do impostor – uma situação que os pesquisadores chamaram de “Fenômeno do Impostor”, devido à regularidade com a qual acontece.

 

 

Segundo a Forbes, há algumas situações que podem indicar que a síndrome do impostor está presente em sua vida:

 

 

  • Você não fala durante as reuniões;
  • Você passa um bom tempo questionando se a sua ideia é válida;
  • Você assume que os seus colegas de trabalho sabem muito mais que você;
  • Você nunca senta na primeira fila em reuniões importantes;
  • Você presume que a sua ideia não é boa o bastante e apenas anota o que as outras pessoas dizem;
  • Você procura outras pessoas para validar suas opiniões.
 

Mesmo que você tenha se identificado com essas situações, não se preocupe. Tudo isso tem solução. 🙂

 

 

Separamos algumas dicas para você colocar em prática e se livrar dessa tendência à autodepreciação. 

 

 

Ações para superar a síndrome do impostor

 

Autossabotagem? Baixa autoestima? Sim, tudo isso e mais um pouco. A síndrome do impostor é como uma âncora lançada, que te impede de arriscar e de se expor, e esses comportamentos fecham as portas para novas oportunidades.

 

 

As 5 dicas abaixo servem para driblar essa armadilha e restaurar a autoconfiança. Depois de superado esse problema, a vida adquire outro sentido. 🌞

 

 

1. Seja mais objetivo e deixe de lado o autojulgamento

 

Talvez esse seja o passo mais difícil, mas ele é extremamente importante e serve como base para todo o processo que você precisará seguir.

 

 

Normalmente, nós tomamos como verdades absolutas os julgamentos que temos sobre nós mesmos. Pensamentos como “Eu certamente não sou bom nisso” ou “O João, com certeza, executa esse projeto melhor que eu” são corriqueiros na mente de quem sofre com a síndrome do impostor.

 

 

Não considere o autojulgamento como uma verdade absoluta. O que você pensa sobre si mesmo e a forma como você se enxerga nem sempre são condizentes com a realidade. É preciso diferenciar o autojulgamento emocional da objetividade.

 

 

Ninguém é perfeito e todo mundo tem falhas. Você não é o pior funcionário da sua empresa e nem a pessoa que sabe tudo sobre sua área de trabalho. Essa polaridade não existe.

 

 

Obviamente, é importante saber reconhecer o que realmente é uma falha e tentar corrigi-la.

 

Mas pense: se você tivesse tantos defeitos e falhas como imagina, por que ainda estaria na empresa? 🤔

 

Portanto, separe seus sentimentos dos fatos. Quando encara uma situação com objetividade, você não dá espaço para o julgamento que faz do seu próprio valor. 

 

 

👉 Nunca esqueça: a forma como você se sente é diferente de como você é na realidade.

 

2. Desenvolva um novo roteiro para a sua mente

 

A síndrome do impostor se manifesta, principalmente, através dos pensamentos e sentimentos recorrentes de autodepreciação. 

 

 

Trata-se de um roteiro repetitivo: “Todo mundo nesse lugar é incrível, e eu não sou como eles”; “Eu não sei tanto sobre esse assunto como as pessoas acham que eu sei”… E esse script mental precisa ser mudado.

 

 

Você não se livrará desse padrão de um dia para o outro. É um exercício que exige prática e tempo. Por isso, quando você perceber que está se sentindo ameaçado e que esse roteiro está vindo à tona mais uma vez, tente mudar o discurso e a forma como você enxerga a situação.

 

 

Por exemplo: ao invés de continuar afirmando em sua cabeça que todos em seu local de trabalho são muito bons e que você não é, pense o seguinte: “Meus colegas são ótimos profissionais e eu vou aprender várias coisas aqui”. Muito melhor, certo? 😀

 

 

👉 Quanto mais você reescrever de forma positiva as frases que surgem em sua cabeça, mais confiante você se sentirá.

 

 

3. Reveja seu currículo profissional

 

Digamos que você tem uma longa experiência profissional, vários cursos complementares sobre sua área de atuação, inúmeros projetos que foram finalizados com sucesso, fala uma segunda língua e sempre foi responsável no trabalho.

 

 

Contudo, parece que nada disso importa quando a síndrome do impostor se faz presente. De acordo com a consultora de carreira Alaina Levine, é preciso revisar o currículo profissional.

 

 

Reveja suas experiências, habilidades, projetos e problemas que você já resolveu. Tudo isso são fatos sobre sua própria experiência pessoal – ou seja, exatamente o oposto da síndrome do impostor, que nada mais é do que uma ilusão que você tem sobre si mesmo.

 

 

4. Acredite nas pessoas que te valorizam

 

Quando elogiadas por um familiar ou amigo, as pessoas que sofrem da síndrome do impostor acham que isso acontece por obrigação e que, por ter vindo de um irmão ou de um amigo próximo, esses elogios não importam.

 

 

Para essas pessoas, é muito difícil acreditar quando alguém fala algo bom sobre sua personalidade ou seu trabalho. Contudo, é extremamente importante quebrar o padrão e começar a valorizar esses momentos.

 

 

Se um amigo elogiou certa habilidade sua, pense sobre isso. Tente relacionar o elogio que você recebeu a uma situação real em que essa habilidade fez a diferença. Assim, você desenvolverá a consciência de que realmente consegue fazer aquilo muito bem. 

 

 

5. Comemore cada conquista e seja grato por ela

 

Na correria das nossas rotinas, deixamos de apreciar momentos importantes, como uma promoção no trabalho, um elogio do chefe, um projeto entregue e apreciado ou um curso finalizado, entre outros exemplos.

 

 

Quando não separamos um tempo do dia para pensarmos sobre uma conquista e nos sentirmos gratos, ela passa despercebida e se torna só mais uma coisa para ser colocada no currículo.

 

 

Portanto, separe um tempo para pensar sobre cada conquista. Se puder, comemore de maneira especial. Não precisa ser algo grande, mas essa comemoração é importante, pois quando você lembrar dessa conquista, ela estará associada a uma lembrança boa da forma como você a celebrou. 

____________

 

 

E você? Já conhecia a síndrome do impostor? Por acaso já passou por algum momento desse tipo? Ou essa sensação acompanha você com alguma frequência? Se sim, já usou alguma estratégia para tentar superar? Nos conte nos comentários!

 

 

Caso conheça alguém que está precisando de ajuda nesse assunto, compartilhe esse texto! ❤️

 

 

 

AUTOR

Cristian Amaral 🇧🇷 

 

 

Eu movo as palavras de lá para cá, e escolhi a web como tabuleiro desse jogo. Assim como todo profissional online, encaro diariamente o tsunami de informações e tecnologias, mas sempre atento ao fato de que, no final das contas, seguimos lidando com pessoas.

 

 

cristian@k2ponto.com.br

LinkedIn

 

 

Discutir sobre

Porcentagem de comentários

Leitura adicional

o-que-e-sustentabilidade-e-qual-e-o-seu-papel-nisso

O que é sustentabilidade e qual é o seu papel nisso?

Para entender o que é sustentabilidade – e poder exercê-la na prática -, pense na manutenção da viabilidade da vida no nosso planeta, não só no presente como para as futuras gerações.    Quer adentrar esse caminho virtuoso? Comece fazendo a si...

o-que-e-e-para-que-serve-o-mindfulness

Mindfulness: o que é e para que serve

Mindfulness – ou atenção plena, como também é conhecido em português – é uma técnica de meditação que exercita a capacidade de manter o foco no momento presente de forma intencional. E o principal: sem julgamentos.   Imagine a seguinte...

por-que-temos-tanto-medo-de-arriscar

Por que temos tanto medo de arriscar?

Ocupando um espaço entre os conceitos de nocivo e saudável, o medo de arriscar é, em primeiro lugar, um mecanismo de defesa. Negligenciá-lo por completo é imprudente; deixá-lo tomar conta dos seus atos pode atrasar a sua vida. Entenda como encontrar...

Rádio ao vivo

Ooops ! You forgot to enter a stream url ! Please check Radio Player configuration